Shiitake

O shiitake faz parte do reino dos fungos, mas pode ser consumido, assim como o champignon, o funghi, o portobello, o shimeji, entre outros cogumelos comestíveis. É um cogumelo amarronzado e carnudo, muito saboroso e nutritivo.
Na natureza, o shiitake se desenvolve em árvores mortas, pois é um fungo decompositor de madeira, onde degrada celulose e lignina para obter energia. Tem origem asiática e é consumido a milhares de anos, sendo cultivado no Brasil apenas a partir da década de 1990. Seu cultivo requer muitos cuidados, como controle de luz, temperatura e umidade. Não possui tantas proteínas, mas tem fibras, ácido fólico, e baixo teor de lipídios. É conhecido por ajudar no tratamento e controle de pressão arterial, colesterol, ajuda a fortalecer o sistema imunológico e prevenir o desenvolvimento de tumores, vírus e bactérias. Ele também dá aquela sensação de saciedade, sendo muito consumido por aqueles que desejam emagrecer.

Algumas dicas:

  • Para comprar:
    Escolha os que tenham a aparência mais firme, sem cheiro forte ou anormalidades sobre sua superfície, tais como manchas escuras ou amareladas. Prefira também aqueles que tenham as bordas lisas e sem fendas.
  • Para armazenar:
    Quanto mais fresco o shiitake, melhor para consumir, mas é possível armazená-los e guardá-los por certo tempo. Caso comprar shiitakes que venham em bandejas de isopor (o mais comum), guarde-os na geladeira, mas antes faça alguns furos no plástico que os cobre para poder circular ar, pois com a umidade tendem a embolorar mais rápido.
    É possível conservá-los por mais tempo congelando-os. Lave-os rapidamente, para tirar os vestígios de sujeira, em seguida seque-os bem e congele em potes ou saquinhos bem fechados, inteiros ou fatiados.
  • Para limpar:
    Lave-os cuidadosamente em água corrente, apenas para tirar o excesso de sujeira. Se estiverem muito sujos, esfregue um papel toalha úmido para eliminar a terra.
    Evite deixar os shiitakes frescos de molho, porque eles absorvem muita água, e podem inchar e perder seu sabor. Caso eles estiverem desidratados, aí você pode hidratar em água, vinho, e reutilizar estes líquidos na flavorização dos pratos.
    Pelo contrário do que muita gente pensa, o cabinho pode ser consumido sim, portanto não precisa descartá-lo. Só que como ele é mais duro que as partes restantes do shiitake, é aconselhado prepará-lo antes.

Receitas do blog com shiitake

Macarrão com Shiitake
Niguirizushi de Shiitake
Abóbora Cabotiá com Shiitake

Sopa de Shiitake e Alho-poró no Pão
Refogado de Brócolis e Shiitake
Yakisoba
Rolinho Primavera
Macarrão com Molho Branco de Amêndoas e Cogumelos
Sushi
Rolinho Vietnamita
Udon
Risotto de Cogumelos e Tofupiry

Economize! $

Sabemos que shiitake é caro, mas uma dica para economizar é comprá-lo em lojas de produtos orientais, geralmente é bem mais barato do que em supermercados. Na minha cidade, por exemplo, chega a ser metade do preço.
Existe também a opção desidratada deste cogumelo, vendida também em lojas de produtos orientais e também em lojas de grãos, farinhas e sementes e empórios naturais. Embora o fresco tenha o sabor e textura melhores, esta versão desidratada quebra um galhão, e é uma boa opção para sempre ter em mãos, porque dura bastante, e geralmente não é muito caro.

Fontes:
Livro Escola de Cozinhas – Verduras (Lafonte)
Globo Repórter
Revista Boa Forma

Vegetariana e amante de animais (sobretudo gatinhos). É designer de produtos, fotógrafa freelancer, e apaixonada por culinária desde pequena. Adora cozinhar, principalmente para os outros, testar ingredientes e receitas! Muitos dos pratos que conhece aprendeu pesquisando e principalmente testando.